Notícias

31/07/13 07:46 / Atualizado em 01/08/13 13:37

minuto(s) de leitura.

Negociações da campanha salarial 2013 começam no dia 8 de agosto. Comando entrega pauta para a Fenaban

Na primeira rodada entre bancários e banqueiros, serão debatidos segurança, saúde e condições de trabalho. Pauta específica da Caixa também foi entregue, mas calendário de reuniões será definido depois

Fenae Net

O Comando Nacional dos Bancários e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) começam as negociações da campanha salarial 2013 no próximo dia 8 de agosto, conforme acerto firmado durante o ato de entrega da pauta de reivindicações da categoria bancária, ocorrido nesta terça-feira, dia 30 de julho, em São Paulo, cujo encontro foi realizado na sede da própria entidade patronal.

Os debates do dia 8 de agosto estarão focados nos temas da segurança, saúde e condições de trabalho. Nessa ocasião, contudo, bancários e banqueiros definem o calendário geral das negociações.

Entre os principais pontos da pauta da categoria bancária destacam-se o reajuste salarial de 11,93% (aumento real de 5% mais a inflação projetada do período), elevação do piso salarial ao valor do salário mínimo do Dieese (R$ 2.860,21), PLR de três salários mais R$ 5.553,15, defesa do emprego, fim da terceirização e combate às metas abusivas e ao assédio moral.

Também nesta terça-feira (30), na sede da Fenaban, o Comando Nacional dos Bancários entregou a pauta específica de reivindicações para a direção da Caixa Econômica Federal. No âmbito do banco, por exemplo, e com base no modelo de campanha nacional unificada, as negociações serão realizadas de forma concomitante com a negociação da categoria com a Fenaban. Na Caixa, o calendário de negociações será definido nos próximos dias.

No 29º Congresso Nacional dos Empregados (Conecef), realizado entre os dias 17 e 19 de maio, os empregados da Caixa aprovaram a pauta específica com reivindicações que envolvem saúde do trabalhador, condições de trabalho e Saúde Caixa, segurança bancária, carreira e condições de funcionamento das agências, papel social da Caixa, contratação, isonomia, Sistema de Ponto Eletrônico (Sipon) e jornada de trabalho, além de questões que tratam da Funcef e aposentados.

PAUTA ESPECÍFICA DOS EMPREGADOS DA CAIXA

Saúde do trabalhador, condições de trabalho e Saúde Caixa
- Fim do assédio moral.
- Medição e adequação obrigatória dos índices de ruído, luminosidade e temperatura no ambiente de trabalho, a cada seis meses.
- Cobertura pelo Saúde Caixa de fisioterapia, RPG,
acupuntura e psicoterapia, sem limite de sessões e sem
exigência de autorização da auditoria ou da Gipes.
- Eliminação da carência de 15 dias entre um atendimento
e outro quando se tratar de pronto-socorro, entre outras.
- Adicional de periculosidade aos empregados que trabalhem
em locais considerados áreas de risco de assaltos e sequestros.

Funcef e aposentados
- Fim do voto de Minerva nas instancias da Funcef.
- Reconhecimento, por parte da Caixa, do CTVA como
verba salarial para fins de aporte à Funcef, aos que permaneceram
no REG/Replan não-saldado, bem como aos que saldaram.
- Manutenção do Fundo para Revisão de Benefícios,
artigo 115 do regulamento do REG/Replan saldado e
artigo 91 do Novo Plano, como instrumento permanente
da política de aumentos reais para os benefícios.
- Fim da discriminação e direito do pessoal do REG/Replan
migrar para o Plano de Cargos e Salários (PCS) 2008
e Plano de Funções Gratificadas (PFG) 2010.
- Recuperação e utilização do superávit para melhorar
os benefícios REG/Replan a exemplo do saldamento.

Segurança bancária, carreira e condições de funcionamento das agências e representação dos trabalhadores
- Fim do descomissionamento arbitrário.
- Revogacão imediata das restrições impostas como pré-requisitos para a candidatura de empregados/as ao cargo de representante eleito pelos empregados/as no Conselho de Administração da Caixa, permitindo que qualquer empregado possa concorrer, independentemente de ter ou não ocupado função gratificada.
- Elevação do valor da indenização por assalto/sinistro para o
equivalente a 100 salários mínimos calculados pelo Dieese.
- Retomada da implantação do modelo "Agência Segura".
- Abertura de agências somente com o total cumprimento
do plano de segurança homologado pela Polícia Federal.
- Criação da função gratificada de assistente no atendimento social.
- Valorização da função de avaliador de penhor com revisão do piso de mercado.
- Realização de atendimento expresso obrigatoriamente por empregado com função de caixa.
- Abertura de novas unidades somente com a estrutura física, de segurança e ergonomia necessárias ao atendimento adequado à população.
- Aperfeiçoamento do modelo do PFG, incluindo progressão horizontal em cada cargo/função, por tempo de exercício.

Papel social, contratação, isonomia, Sipon e jornada de trabalho
- Jornada de seis horas para todos.
- Fim das horas extras sistemáticas.
- Extinção do registro de horas negativas do Sipon e do bloqueio de acesso motivado por falta de homologação do gestor ou decorrente de hora extra não acordada.
- Isonomia: extensão do ATS e licença-prêmio para todos os empregados admitidos a partir de 1998.
- Revisão da Estrutura Salarial Unificada (ESU) e do Plano de Cargos e Salários da carreira administrativa, com valorização salarial.
- Fim da responsabilizacão do empregado no caso de irregularidades no registro do Sipon.

Acesse as redes da Fenae:

Acesse e conheça as vantagens de ser um associado

Veja também
Nenhum registro foi encontrado.

selecione o melhor resultado