Notícias

10/11/2015 08:12 / Atualizado em 10/11/2015 10:36

minuto(s) de leitura.

Mapa da Violência aponta aumento de homicídios de mulheres

Negras estão entre as principais vítimas. Grande parte das mulheres foi morta pelos cônjuges. Conforme a pesquisa, em 2013, cerca de 13 mulheres foram assassinadas diariamente

O Mapa da Violência 2015 – Homicídio de Mulheres no Brasil,  divulgado nesta segunda-feira (9), em Brasília (DF), aponta um aumento de 21% de mulheres vítimas de violência em uma década: em 2013 foram 4.762, contra 3.937 em 2003.  Conforme a pesquisa, elaborada pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso),as 4.762 mortes em 2013 representam uma média de 13 mulheres assassinadas por dia.

O país tem uma taxa de 4,8 homicídios por 100 mil mulheres, a quinta maior do mundo, segundo informações da OMS (Organização Mundial da Saúde), que avaliou um grupo de 83 países. O número de homicídios de mulheres negras foi o que mais cresceu: 54% em 10 anos no número de homicídios de mulheres negras, passando de 1.864, em 2003, para 2.875, em 2013. No mesmo período, a quantidade anual de homicídios de mulheres brancas caiu 9,8%, saindo de 1.747 em 2003 para 1.576 em 2013.

O estudo conta com o apoio da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, do escritório no Brasil da ONU Mulheres e da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS). Os dados foram apresentados pelo pesquisador da Flacso, Julio Jacobo Waiselfisz.

No lançamento, que aconteceu na Casa da ONU, a ministra da Mulher, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, Nilma Lino Gomes, enfatizou que o Mapa impulsiona ações para enfrentamento da violência contra as mulheres. “Os dados nos revelam o quanto precisamos avançar e articular lutas e esforços”, ressaltou.

“Não podemos conviver de forma nenhuma com a magnitude do crescimento dos assassinatos de mulheres”, frisou a Secretária de Políticas para as Mulheres do Ministério, Eleonora Menicucci. Ela destacou a menção do Mapa, pela primeira vez, ao feminicídio.

O estudo revela que, no Brasil, 27,1% das mulheres foram mortas em casa. Além disso, 22,5% dessas mulheres foram assassinadas pelos cônjuges, o que indicaria crime de feminicídio. A Lei do Feminicídio – homicídio de mulheres por razão de gênero – foi sancionada em março deste ano pela presidenta Dilma Rousseff.

A representante da ONU Mulheres no Brasil, Nadine Gasman, saudou o governo da presidenta Dilma Rousseff por ter estabelecido “tolerância zero com a violência contra as mulheres” e por estar desenvolvendo o programa Mulher, Viver sem Violência, que apresenta uma série de ações para o enfrentamento do problema.

Para Luis Codina, representante da OPAS no Brasil, o país avançou muito na legislação e na humanização do atendimento às vítimas de violência e é preciso ser inovador para pensar outras formas de continuar avançando.

Acesse as redes da Fenae:

Acesse e conheça as vantagens de ser um associado

Veja também
Nenhum registro foi encontrado.

selecione o melhor resultado