Notícias

AudienciaPara-171017.jpg

17/10/17 08:34 / Atualizado em 17/10/17 15:30

minuto(s) de leitura.

Entidades bancárias reforçam defesa dos bancos públicos em casas legislativas

Do Pará ao Paraná, Fenae e representantes de outras categorias vão à luta contra as privatizações e em favor do fortalecimento das empresas públicas do Brasil

Notícias

O presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira, participou da audiência pública Em Defesa dos Bancos Públicos, realizada nesta segunda-feira (16/10) na Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor (CDHDC) da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa). Ele traçou um panorama acerca das ofensivas do governo sobre o patrimônio público e da importância inquestionável da Caixa na execução de ações que atendem a políticas sociais. Também lembrou que as entidades de empregados estão atentas quanto ao interesse da equipe de Michel Temer em atrair bancos estrangeiros para participar da privatização do banco.

“Nesta semana, eventos semelhantes a esse serão realizados em várias partes do país como uma reação para que o nosso patrimônio não seja roubado”, esclareceu Jair Ferreira, ao se referir ao alcance da campanha ‘Se é público é para todos’, coordenada pelo Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, que congrega confederações, federações e sindicatos de diversas categorias. “No âmbito da Caixa, lançamos a campanha ‘Defenda a Caixa você também’, que destaca a importância do banco para o Brasil e os brasileiros, envolvendo os empregados e a sociedade”, acrescentou o presidente da Fenae.

Na abertura da mesa, o deputado estadual Carlos Bordalo (PT), presidente da CDHDC da Alepa, alertou que os bancos cada vez mais estão reduzindo a rede física de atendimento. Ele destacou a necessidade de oferta de crédito de curto, médio e longo prazo, e ressaltou ainda a importância dos bancos públicos regionais para o desenvolvimento local, com o financiamento de agricultores familiares e pequenos empreendedores. “Essas pessoas não teriam condição de obter crédito, porque os bancos privados oferecem financiamento com altas taxas de juros. Hoje, 56% do crédito no Brasil são oferecidos por bancos públicos, e 44%, por bancos privados. No Pará, esse percentual sobe para mais de 80%”, explicou.

Para Wagner Nascimento, representante da Contraf-CUT, o encolhimento dos bancos públicos terá um reflexo danoso à sociedade. “Basta lembrar que 70% do alimento produzido e consumido no Brasil vem dos pequenos agricultores, que são financiados pelos bancos públicos; 70% dos financiamentos estudantis são feitos por instituições como o Banco do Brasil e Caixa Econômica; 80% dos financiamentos e créditos de longo prazo para pequenas empresas são do BNDES e Banco do Brasil. Então, precisamos defender essas instituições, não só para garantir um atendimento melhor para a sociedade, mas também porque sem elas não há desenvolvimento”, afirmou.

Próximas audiências

Nesta terça-feira (17), às 18h30, o diretor de Administração e Finanças da Fenae, Cardoso, estará presente em Curitiba (PR), reforçando a defesa dos bancos públicos que chega à Assembleia Legislativa do Pará. O evento foi proposto pelo deputado estadual Tadeu Veneri (PT) e articulado pelo movimento sindical bancário do Paraná. Em Campinas, o ato em defesa das empresas públicas ocorre no Largo do Rosário, nesta terça-feira (17), às 17h.

Na quarta-feira (18), às 19h, o debate será na Câmara Municipal de São Paulo (SP). A campanha “Se é público é para todos” será discutida com ênfase no lema “São Paulo irá piorar sem os bancos públicos”. Já na quinta da próxima semana, dia 26 de outubro, a Frente Parlamentar em Defesa dos Bancos Públicos será lançada em São Luís (MA), na sede do sindicato dos bancários do estado.

Acesse as redes da Fenae:

Acesse e conheça as vantagens de ser um associado

Veja também
Nenhum registro foi encontrado.

selecione o melhor resultado