Notícias

abertura conecef 400 10.07.jpg

10/07/2020 22:44 / Atualizado em 11/07/2020 12:57

minuto(s) de leitura.

Empregados de bancos públicos se mobilizam contra privatizações e retirada de direitos

A abertura do 36º Conecef, realizada na noite desta sexta-feira, foi transmitida pelo Facebook, Youtube e via APP Viva Fenae Apcef

Pela primeira vez, trabalhadores dos bancos públicos federais realizaram, na noite desta sexta-feira (10), a abertura conjunta dos seus congressos nacionais que irão definir a pauta de reivindicações para campanha Nacional 2020. A demonstração de unidade do  36º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa Econômica Federal (Conecef), do 31º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil (CNFBB), do 26º Congresso Nacional dos Funcionários do BNB e do 11º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco da Amazônia é para enfrentar um inimigo em comum: a agenda ultraliberal do governo Bolsonaro que tem como pilares a privatização de empresas públicas e a retirada de direitos dos trabalhadores. Os empregados dos bancos públicos deram um recado: não faltará resistência para combater os retrocessos, mesmo diante da situação de pandemia que tem exigido isolamento social. 

Não é à toa que o lema dos congressos dos bancos públicos e da Conferência Nacional dos Bancários, que ocorrerá na próxima semana, é “A distância não nos limita”.  “Nossa força continua em 2020, mesmo em pandemia.  Fizemos congressos estaduais no país inteiro, dos quais saíram propostas que serão levadas para a 22ª Conferência Nacional dos Bancários”, declarou a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT), Juvandia Moreira. 

A dirigente, que também é uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários, reforçou a importância da mesa unificada de negociação. “A unificação da mesa em 2003 trouxe uma série de conquistas para os trabalhadores dos bancos públicos e privados. Mais uma vez, estaremos unidos em defesa da renovação da nossa convenção coletiva de trabalho e dos acordos coletivos de trabalho, em defesa da preservação da vida e dos direitos”, disse Juvandia. 

O presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Sergio Takemoto, lembrou que não é a primeira vez que os bancários têm o desafio de fazer o enfrentamento com governos autoritários, que são contrários aos trabalhadores e às empresas públicas. “Na próxima semana o documentário Não Toque em Meu Companheiro, patrocinado pela Fenae, estreia nas plataformas de streaming e conta a história de solidariedade entre os empregados que ajudaram de 110 trabalhadores demitidos do banco em 1991, durante o governo Collor. Esse filme mostra que é possível reverter os ataques”, ressaltou. 

Segundo Takemoto, nem mesmo o trabalho realizado pelos empregados da Caixa durante a pandemia e a importância do banco para o País afasta a ideia de privatização por parte do governo. “Não podemos admitir esse ataque à Caixa e aos nossos direitos. Precisamos que a Caixa continue sendo o banco da habitação, do Fies e de tantos outros programas tão importantes para o povo brasileiro”, acrescentou. 

O coordenador da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa), Dionísio Reis, defendeu a capacidade de mobilização dos trabalhadores dos bancos públicos, que estão resistindo aos ataques do governo. “Estamos em um ano de resistência e vamos construir durante o 36º Conecef uma pauta de reivindicações de resistência, para manter nossos direitos e avançar contra aqueles que querem acabar com o patrimônio nacional”, enfatizou. 

Durante a abertura do 36º Conecef e do 31º CNFBB, foram exibidos vídeos com depoimentos de parlamentares que se manifestaram em defesa dos bancos públicos. “Defender os bancos públicos é defender o Brasil. Eles dizem que não vão privatizar a Caixa, mas estão entregando ativos, como a Caixa Seguridade e loterias”, alertou a deputada federal Erika Kokay (PT/DF). 

O presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Bancos Públicos, José Carlos (PT/MA), destacou a importância dos congressos e que dos debates sairão estratégias para combater as tentativas de privatização. “Os bancos públicos são do povo brasileiro e de nenhum governo. Viva os bancos públicos!”, enfatizou o parlamentar. 

A Senadora Zenaide Maia (Pros/RN) também protestou contra a agenda privatista do governo. “Sou contra a venda dos bancos públicos, eles são patrimônio do povo brasileiro”. 

Dirigentes de entidades sindicais e do movimento associativo que representam bancários de todo o país destacaram a importância que os bancos públicos estão tendo durante a pandemia do coronavírus, seja através do pagamento do auxílio emergencial, realizado pela Caixa, seja através do apoio aos setores impactados pela crise econômica. 

“Esse governo antidemocrático é incapaz de indicar os rumos para o país sair da crise e coloca os bancos públicos em risco, ressaltou Jefferson Boava, representante da FEEB SP/MS. 

“A luta em defesa dos bancos públicos não é corporativa, mas a defesa de um projeto soberano de País. A pandemia se encarregou de demonstrar a importância do Estado Brasileiro, com o SUS, a atuação da Caixa e da Datraprev “, frisou Emanoel de Souza (Feeb/BA). 

O representante da Fetrafi/SC e da Intersindical, Edson Heemann, condenou o descaso do governo com a população brasileira: "atitude repugnante de um presidente que engana seu povo todos os dias". 

Gilmar Aguirre, da Fetrafi/RS, disse que, assim como na crise de 2008, os bancos públicos estão atendendo o chamado do país para superar as dificuldades econômicas e sociais. 

O representante da Fetec/PR, Zelário Bremm, reconheceu o cenário adverso enfrentando pelos trabalhadores, mas que a exemplo de outros momentos de ataques “é preciso unidade e luta da categoria bancária para fazer o enfrentamento contra os retrocessos”. 

Eliana Brasil, da Fetrafi/MG, destacou que só a união garantirá a manutenção dos direitos da categoria. “Nesse momento, precisamos estar unidos para derrotar esse governo negacionista”. 

O dirigente da Fetrafi/ Nordeste, Odaly Medeiros, defendeu uma grande mobilização nacional em defesa dos bancos públicos. “Eles (os bancos públicos) estão sendo lapidados e seus ativos vendidos.”, denunciou. 

Para Mariana Coelho, da Fetrafi Centro Norte, os bancários terão um grande desafio este ano: “a manutenção da mesa única e de todos os direitos”. 

“Devemos nos juntar a organização da campanha dos bancários e dar resposta à altura a esses ataques, defender nossos direitos e nossos empregos”, defendeu José Ferreira, da Fetrafi RJ/ES. 

Leonardo Quadros, representante da Fetec/SP, disse que “os congressos dos trabalhadores dos bancos públicos são a marca da luta das entidades associativas e sindicais e essa luta tem barrado diversas tentativas de retirada de direitos”.

 A abertura conjunta dos congressos dos trabalhadores dos bancos públicos foi encerrada com um debate sobre a pandemia do coronavírus e os impactos econômicos para o Brasil, que contou com a participação de Luiz Gonzaga Belluzzo, economista e professor titular do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). 

“Nesse momento, a ação do governo brasileiro é muito tímida e insuficiente na tentativa de restaurar as cadeias produtivas impactadas pela pandemia, o que pode comprometer a restauração da economia brasileira. Estão sendo tímidos e desorganizados”, ressaltou Belluzzo. 

Ele voltou a defender a prolongação do pagamento do auxílio emergencial para assegurar o sustento das famílias carentes afetadas pela crise e atuação dos bancos públicos para retomada do desenvolvimento econômico e social do Brasil. 

36º Conecef 

A defesa da vida, da democracia, das empresas públicas, dos bancos públicos e da Caixa 100% pública; condições de trabalho dos empregados, Saúde Caixa, Funcef, contratações e acordo coletivo estão entre os temas que serão debatidos no 36º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa Econômica Federal (Conecef). 

A programação neste sábado começa às 9h.  Vários debates serão transmitidos ao vivo pelo Facebook da Fenae e pelas redes sociais da Contraf-CUT. Assista e participe!    

 

 

Acesse as redes da Fenae:

Acesse e conheça as vantagens de ser um associado

Veja também
Nenhum registro foi encontrado.

selecione o melhor resultado