Notícias

GrevedosBancarios2016

23/09/2016 15:41 / Atualizado em 23/09/2016 16:15

minuto(s) de leitura.

Comando Nacional dos Bancários solicita volta das negociações com a Fenaban

A última rodada de negociação aconteceu no último dia 15 e, desde então, banqueiros estão em silêncio. 13.385 agências e 40 centros administrativos tiveram as atividades paralisadas nesta sexta-feira

O Comando Nacional dos Bancários enviou, na tarde desta sexta-feira (23), um oficio à Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) para solicitar a volta das negociações da Campanha Nacional 2016. No texto, o Comando reforça que, como os dirigentes sindicais estarão reunidos na próxima segunda-feira (26), em São Paulo, na sede da Contraf-CUT, eles estão à disposição para a retomada dos temas tratados na mesa de negociação.

A pauta de reivindicações foi entregue aos bancos no dia 9 de agosto, mas a Fenaban não apresentou proposta decente, que contemple as reivindicações dos trabalhadores. Já foram oito rodadas de negociação sem sucesso. Mesmo após recordes diários de agências e locais de trabalho paralisados, os bancos insistem em se manter em silêncio, diante das demandas dos bancários, preferindo o uso de práticas antissindicais para tentar desestruturar a mobilização.

“Construímos todos juntos a maior greve em número de locais parados, mas os banqueiros continuam intransigentes em relação a repor as nossas perdas. Pior do que isso, voltaram a usar sua parceria judicial em ações de Interdito Proibitório. Por que neste ano resolveram reduzir os nossos salários? A quem interessa isso, além de alimentar sua ganância por redução de gastos com pessoal para lucrar mais? As respostas para isso talvez estejam fora das nossas mesas de negociação e isso não vamos admitir”, afirmou Roberto von der Osten, presidente da Contraf-CUT e um dos coordenadores do Comando Nacional dos Bancários.

O presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira, também cobra nova postura da Caixa Econômica Federal. “A direção do banco também permanece em silêncio quanto às reivindicações específicas dos empregados. Queremos, além de ganho real, melhorias nas condições de trabalho. Entre os itens, destacam-se a revogação do RH 184 e a retomada das contratações. Por isso, precisamos reforçar a cada dia a nossa greve”, diz.

Greve mais forte

Mesmo diante de forte pressão dos banqueiros para enfraquecer a mobilização da categoria, a greve dos bancários entrou, nesta sexta-feira (23), em seu 18º dia, com 13.385 agências e 40 centros administrativos com as atividades paralisadas. “A esta altura de nossa greve, os bancos já deveriam ter percebido que não conseguirão derrotar nem enfraquecer a nossa luta. A truculência só fortalece ainda mais a adesão à greve de protesto, transformada em luta por dignidade e respeito” ressalta Roberto von der Osten.

Acesse as redes da Fenae:

Acesse e conheça as vantagens de ser um associado

Veja também
Nenhum registro foi encontrado.

selecione o melhor resultado