Notícias

26/06/14 04:59 / Atualizado em 26/06/14 04:58

minuto(s) de leitura.

Caixa responde ofício no qual Fenae cobra melhorias em condições de trabalho

No documento, enviado no início de junho à Vice-Presidência de Gestão de Pessoas do banco, a Federação cobrou esclarecimentos para várias denúncias publicadas na matéria especial da revista Fenae Agora

Fenae Net

A Fenae recebeu resposta da direção da Caixa Econômica Federal ao ofício em que cobra posicionamento do banco sobre a precariedade das condições de trabalho nas unidades do banco. A edição 83 da revista Fenae Agora, publicada em junho deste ano, retrata um cenário alarmante nas agências por conta da escassez de pessoal, provocando o adoecimento físico e mental dos empregados em decorrência da cobrança por cumprimento de metas abusivas.

No documento em que encaminhou à Fenae, a Caixa garante, sem detalhar as ações, que “tem se empenhado em garantir condições adequadas de saúde, segurança e bem-estar aos empregados” e alega que “possui limite do seu quadro de pessoal estabelecido pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, conforme critérios adotados por este órgão”.

Já com relação ao quantitativo de empregados nas agências e unidades de suporte, a empresa diz que os estudos levam em conta “critérios de mercado e internos, tais como: aspectos socioeconômicos, tamanho populacional, potencial de clientes PF/PJ, atendimento ao cidadão/atendimento aos Programas Sociais, além da Estratégia Empresarial e do Modelo de Atendimento Caixa, dentre outros”.

O banco afirma ainda, no ofício enviado à Fenae, que “o adoecimento dos empregados é atestado pela empresa após análise, parecer e decisão de médico assistente e médico do trabalho, que se baseiam em avaliações clínicas, aspectos e condições de saúde e segurança no trabalho, o que garante lisura ao processo”.

Durante o 30º Conecef, realizado em São Paulo entre os dias 6 e 8 de junho, o tema foi debatido intensamente. Os delegados deliberaram que é necessário intensificar a luta por mais contratações para oferecer condições de trabalho dignas aos empregados da Caixa. Outra prioridade será a luta pelo fim do trabalho gratuito, com jornada de 6h para todas as funções sem redução salarial e com extinção do registro de horas negativas no Sistema de Ponto Eletrônico (Sipon).

Para o presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira, a mobilização dos trabalhadores é fundamental para pressionar a Caixa a promover as necessárias melhorias nas condições de trabalho. “As entidades sindicais e associativas continuarão cobrando nas mesas de negociação permanente e na campanha nacional salarial dos bancários soluções para os problemas que são denunciados pelos empregados”, assegura.

Acesse as redes da Fenae:

Acesse e conheça as vantagens de ser um associado

Veja também
Nenhum registro foi encontrado.

selecione o melhor resultado