Notícias

jair_mp 905_plenaria.jpg

20/11/2019 10:58 / Atualizado em 20/11/2019 17:05

minuto(s) de leitura.

Bancários decidem em plenária geral pela mobilização contra a MP 905

Bancários do Distrito Federal se reuniram para discutir as próximas ações contra a medida provisória que altera conquistas históricas dos trabalhadores

Em busca de união para derrotar a MP 905, bancários do Distrito Federal se reuniram nesta terça-feira (19), em plenária geral para discutir as próximas ações contra a Medida Provisória que altera conquistas históricas dos trabalhadores como a jornada de seis horas e o direito ao descanso aos sábados e domingos. Os presentes votaram pela mobilização intensa nos estados e no Congresso Nacional como forma de barrar a medida. O encontro aconteceu na Praça do Cebolão, em Brasília (DF) e a Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae) esteve presente na plenária somando forças aos bancários.


O presidente da Federação, Jair Pedro Ferreira, foi assertivo ao dizer que os trabalhadores precisam se unir e a única forma de enfrentar a medida provisória é pela mobilização. “Sindicado, Fenae e Apcefs estarão presentes com assessoria parlamentar e audiências públicas para os trabalhadores. Mas cada um tem que ajudar, precisamos nos juntar. Temos que procurar os deputados e senadores e dizer para eles que os nossos direitos estão sendo tirados. É no Congresso uma das frentes de batalha. Ou a gente luta coletivamente ou seremos derrotados”, afirmou Ferreira.


Empregado Caixa há 29 anos, José Reginaldo Pereira compartilha da mesma ideia do presidente da Fenae. Para ele, a mobilização é o melhor meio para atingir a medida provisória.

“Acho que essa MP preocupante. Ela ataca diretamente nós trabalhadores Caixa que somos das seis horas. Se você aumenta a carga horária, diminui o número de funcionários, isso é evidente. Os empregados devem se mobilizar, se envolver e entender que isso que está acontecendo, para o futuro, vai trazer consequências gravíssimas para nós da Caixa”, relatou Pereira.


A diretora da Contraf-CUT e integrante da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa), Fabiana Uehara, destacou que a plenária geral conseguiu conscientizar os bancários sobre os ataques aos direitos dos bancários.  “Então nossa ideia é reforçar, mobilizar e conscientizar e a partir daqui fazer reuniões nos locais de trabalho. Também vamos fazer a movimentação no Congresso Nacional e ampliar a nossa luta é para derrubar a MP”, reforçou Fabiana.


O alerta dos perigos da MP veio também por meio da fala da técnica do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e assessora do Sindicato dos Bancários do DF, Mariel Lopes. Segundo ela, os trabalhadores precisam tomar cuidado, no caso da aprovação do trabalho aos finais de semana por exemplo, seria 14 horas a mais de trabalho sem remuneração. “Nós consideramos que esta proposta do governo é mais um passo, talvez o passo mais decisivo, rumo a ao total desmonte da proteção trabalhista que a gente tem no Brasil e se a gente não tomar cuidado a bolsa patrão passa”, afirmou.


A CONTRAF/CUT, conforme aprovado no Comando Nacional, orienta a todas as entidades filiadas que no dia 21 de novembro de 2019 seja realizado um Dia Nacional de Luta contra a MP, pela defesa da jornada e do fim de semana dos bancários.


Tramitação

A MP 905/19 foi encaminhada ao exame do Congresso Nacional, pelo governo, no dia 11 de novembro. A medida vale por 60 dias, podendo ser prorrogada por mais 60. Nesse prazo, precisa ser aprovada pelo Congresso para não perder sua eficácia.

A MP vai ser examinada inicialmente por comissão mista de deputados e senadores, antes de ser votada, respectivamente, pelos plenários da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.

 

Acesse as redes da Fenae:

Acesse e conheça as vantagens de ser um associado

Veja também
Nenhum registro foi encontrado.

selecione o melhor resultado